Pesquisar neste blogue

02/07/2009



Sinto-me como a noite,
Apenas contenho a sombra estéril
Filha do escuro da tristeza.
Com este fetiche, na fervura
Do feitiço, avancei ao efémero.
Por tua felonia, por teus desejos loucos
Sinto-me como a noite,
Depois da linha imaginária do prazer se perder,
Por tudo.
Arranca de mim toda esta raiva,
E leva-me daqui no impacto dessa melancolia.
Desprega de mim a tua figura… e parte

Sem comentários: