Pesquisar neste blogue

18/01/2011


Elas,
recordam-me aquilo que
foram no encontro
geométrico de nós
de vários resumos de vida
no centro do nosso mundo.
Quando desarrumamos
os turnos dos dias
sinto a fragância da tua tristeza.
O que vai no fio do tempo?
Porque sinto esse frio!
Tens sempre o fim de tudo,
de coisas sem razão.