Pesquisar neste blogue

18/06/2011

Percurso de infindas intenções
que me convertes numa procura 
de nada que permanece.
Quem me impede,
nada faz por voltar 
a abalar o que revivi .
Quando devo estar atento 
ao teu sonho 
e ao teu dizer no momento?
Quando?
Se naquele instante e intuição de nós,
surgem vocábulos desfeitos
com origem num regresso do nada.
Nos mundos transviados 
por dias sem fim
onde aquilo que não existe é mais forte
do que aquilo que se dá.