Pesquisar neste blogue

02/07/2009

A outra margem



Música ardente, esboço de um movimento
De alguns corpos virtuosos.
As virgens bailam, no centro os meninos,
Comem os lobos, como um capuchinho
Que meu pensamento guardou
Dum mundo terrível
Onde lobos e meninos não são homens.
As virgens bailam… bailam…
E eu sorrio e gosto, elas gemem
Como se os seus corpos fossem desejo.
E por elas correm rios
Onde alguém, tentou alcançar
A outra margem.

Sem comentários: