Pesquisar neste blogue

01/07/2009

Estranha a minha alma nesse momento



Estranha a minha alma nesse momento
Em que me senti fraco,
Perante os artifícios de uma mulher,
Suave e juvenil.
Seus olhos, dois pirilampos
Que à verdade conduzem.
Sua boca,
Oh! Sua boca fez-me sentir,
Uma verberação indefinível
Cobrindo meu corpo
De um influxo de magia,
Ao ver sair dela a cordial franqueza.
Mulher, vem sossegar o meu espírito,
Que aqui na sombra da noite,
Manifesta uma vontade louca de te amar.

Sem comentários: