Pesquisar neste blogue

29/06/2009

Ao meu ar



Ao meu ar pensativo e senhoril

Quantas vezes lhe sigo as pisadas,

Quando o seu bravo e selvagem perfil

Me vai dando ideias complicadas.


Ah! Como me assombra e fascina

Este seu ar de imaginar.

Dá-me vontade de emergir

e de musicar o meu andar.


O seu modo altivo e real

Seu sorriso sério e cortante,

Pica-me como se fosse um punhal

Mas seu coração é como um brilhante.


Enfim! Aqui vou eu pela estrada

Nesta noite aromática e solene.

O meu ar comigo ficou alucinado,

e fugiu de mim, como algo que me teme.

Sem comentários: